Ecommerce na indústria

Ecommerce na indústria


O título pode parecer estranho, mas o advento do ecommerce na indústria está a cada dia mais próximo de se tornar uma realidade presente nos mais diversos setores. Os canais digitais permitiram que a indústria começasse a conversar mais diretamente com seu cliente final, quebrando a barreira visual intermediária ocupada pelo varejo.





Rumo à 4ª Revolução Industrial





O modelo de Indústria 4.0 traz o conceito de D2C (Direct to Consumer) por meio do varejo digital direto, sem intermediários. Essa nova forma de fazer negócios online acarreta em uma inversão de papéis entre indústria e varejo na qual ambas começam a se misturar de tal forma que, em alguns casos, é difícil identificar quem é quem.





Uma mudança de canais: do offline ao online





O setor industrial, cujas transações comerciais foram realizadas, até o momento, unicamente em canais offline, está percebendo a crescente maturidade do comércio digital e enxergando nele uma grande oportunidade de aumentar o poder da marca e ampliar seu campo de atuação. Segundo a última edição da Revista Ecommerce Brasil, 8% dos negócios online vêm diretamente do setor industrial. A maior parte das marcas opta por uma estrutura de loja mista: compras online, associadas às lojas físicas.  





Um dos pontos mais relevantes nessa mudança é que a indústria investe em pesquisa e busca novas tecnologias para aplicar em seus produtos. O lojista, em grande maioria, prefere colocar em seu estabelecimento os produtos mais vendidos, ficam receosos de colocar algo muito novo e diferente e acabar não vendendo. Com um ponto de venda online, a indústria tem a oportunidade de apresentar 100% de sua cartela de produtos ao cliente final.





É preciso montar uma estratégia muito bem planejada para não correr o risco de perder os parceiros lojistas, responsáveis por levar a marca a locais e pessoas que o ecommerce não alcança. Uma das táticas pode ser justamente oferecer produtos diferentes daqueles revendidos nas lojas físicas, reduzindo atritos entre as partes.





Novos canais, novas ferramentas





O formato de indústria 4.0 traz consigo diversas ferramentas capazes de fornecer informações valiosas às marcas, como Big Data, Analytics, IOT (Internet das Coisas), realidade aumentada e as tendências de omnicanalidade.





Isso trará à indústria maior possibilidade de conhecer e interagir com seu cliente através dos dados coletados, melhorando constantemente seus produtos e serviços, entregando não apenas objetos, mas conveniência, conteúdo segmentado e atendimento personalizado.





O resultado? Clientes muito mais fiéis e produtos cada vez mais customizados.





Conheça outras vantagens:





  • Até chegar ao consumidor final, o produto passa por diversas etapas, como o distribuidor e o varejista, o que faz com que ele pague mais pelo produto, pois em cada etapa do processo são adicionados novos tributos ao valor final;




  • Além de ser mais barato para o cliente, ele terá acesso ao portfólio completo de produtos atualizado em tempo real, além de ser uma oportunidade para outras vendas sugeridas, como produtos similares ou complementares;




  • É possível informar mais completamente o cliente através das descrições de produto, videos explicativos e especialistas falando sobre o tema;




  • Aumento do espaço geográfico de atuação e possibilidade de expansão comercial para outros estados;




  • Nem sempre é possível customizar produtos na loja física, outra vantagem de comprar diretamente com o fabricante.




A principal desvantagem, além dos atritos com os lojistas, é que a indústria no ecommerce não funciona tão bem para produtos de uso comum e contínuo, como alimentos e bebidas, por exemplo.





Como começar a expansão para o modelo D2C.





  • Ofereça uma boa - e fácil - experiência de compra;
  • Explorar as regiões geográficas e perfil do cliente de cada região; Investir em locais remotos onde as lojas físicas não se estabelecem e locais onde os representantes comerciais não chegam;




  • Preparar o site, fazer fotos profissionais voltadas exclusivamente à vendas e descrições detalhadas do produto. Itens importantes como detalhes e cores devem ser o mais fiel possível ao produto original. As pessoas preferem buscar informação do produto nas fotos do que ler uma descrição muito extensa, por isso a união entre ambos os recursos é primordial para oferecer conteúdo que transmita a experiência pessoal do produto;




  • Organizar os setores para as novas demandas, principalmente distribuição e logística, afinal de contas, uma indústria acostumada a fazer um caminhão inteiro de pedidos para um único cliente, agora começa a enviar uma caixinha com apenas uma peça;




  • Outro fator bastante importante que deve ser avaliado é a questão contábil e fiscal, pois a indústria passa a lidar com CPF e não somente com CNPJ, alterando os custos fixos e variáveis.




É verdade que algumas áreas da estrutura da empresa precisarão mudar, mas na maioria dos casos os resultados são bastante satisfatórios. Os clientes se sentem mais próximos daqueles que fabricam o que eles consomem, então, um bom posicionamento e estratégia bem planejados podem transformar pessoas de apenas consumidores a fãs da marca.





Até o próximo,












Ecommerce na indústria
5 (100%) 1 vote

Achou isso interessante? Compartilhe

Lais Bellmax
Por Lais Bellmax
Marketing

Publicitária formanda pela Univali, trabalha há 4 anos na área de comunicação. É focada no marketing das empresas Híbrido, Arpina e demacode_. Além disso também é entusiasta na área branding, moda e produção audiovisual.

COMENTÁRIOS

CERTIFICAÇÕES

E PRÊMIOS

CONECTE-SE

Vamos conversar SOBRE O SEU NEGÓCIO?

Quer ficar antenado no mundo do ecommerce?

Faça parte da nossa base de conhecimento.