O ecommerce como processo evolutivo na indústria

O ecommerce como processo evolutivo na indústria

Os processos de revolução industrial se caracterizam basicamente pela substituição do homem pela máquina, garantindo produções em massa e alto desempenho. Atualmente estamos encerrando o ciclo da terceira revolução industrial que, com início na segunda metade do século XX, abriu caminhos para a automatização através de aparelhos eletrônicos sofisticados e sistemas de informação. Agora, estamos presenciando o nascimento da indústria 4.0, lançada oficialmente em 2015 na Alemanha, a qual impulsionará a produtividade de maneira inédita através da comunicação entre as máquinas.


Paralelo à implantação da Indústria 4.0 no ano de 2015, o Brasil começou a enfrentar uma forte crise que afetou também a indústria, o que foi responsável pelo fechamento de diversas empresas varejistas. A partir desse fenômeno, os empresários com lojas físicas perceberam a oportunidade de reduzir custos e aumentar suas vendas através da migração para o sistema ecommerce. Munido a isso, os consumidores também passaram a optar pelas compras online, devido a sua facilidade e aos preços mais acessíveis.


O ecommerce foi uma solução prática e revolucionária para as indústrias brasileiras em meio à crise, que logo de imediato sentiu o impacto positivo da nova medida. A melhora dos processos de vendas B2B é uma das principais vantagens da adoção do ecommerce na indústria, uma vez que a loja virtual reduz custos, atinge novos revendedores, automatiza e simplifica as operações. As vendas B2C também são viabilizadas via ecommerce. Sem a necessidade de um mediador de vendas, a indústria consegue praticar preços mais atrativos, resultando em lucro maior.


A possibilidade infinita de produtos também se destaca como uma das principais facilidades da plataforma. Não é raro que os consumidores não encontrem na loja física algo que lhe atraiam, porém, através do e-commerce o mix de produtos é totalmente divulgado e aproveitado pelos consumidores finais.


O ecommerce não é apenas uma ferramenta de vendas. Ele aproxima a marca do consumidor final, pois serve como um canal estratégico de comunicação direta, onde a indústria pode compartilhar informações sobre seus produtos e o consumidor tem uma resposta direta e efetiva sobre suas dúvidas e facilidade na resolução de eventuais problemas.


O maior segredo para o sucesso de qualquer empresa é conhecer os gostos e o perfil do seu cliente. Essa é mais uma ferramenta que o ecommerce oferece: a coleta de dados sobre os interesses, comportamento de pesquisa e até dados pessoais podem ser utilizados pela empresa como guia para o lançamento ou mesmo para a fabricação de um novo produto que atenda as novas tendências de consumo.


Esses dados demonstram a importância da adoção do ecommerce no setor da indústria, pois a ferramenta auxilia na construção de uma marca mais sólida no mercado, aproxima a empresa do consumidor e aumenta exponencialmente os lucros das empresas.


A indústria do ecommerce


Para ultrapassar uma crise como a que o Brasil vem presenciando é necessário criatividade e inovação. O ano de 2018 se mostrou como um período desafiador para as indústrias. A greve dos caminhoneiros que ocorreu em maio impactou diversos setores e o ecommerce também foi atingido, em especial ao atraso na entrega prevista das mercadorias. O cenário político também desperta incertezas na economia, o que faz com que os consumidores sejam mais cautelosos com suas finanças.


Porém, o primeiro semestre de 2018 foi muito positivo para o ecommerce brasileiro, com uma receita de R$ 23,6 bilhões, o que representa um crescimento de 12,1% em comparação ao mesmo período de 2017. Além disso, o ecommerce conquistou 7,5 milhões de novos consumidores e contou com quase 55 milhões de transações realizadas, ultrapassando todas as estatísticas do primeiro semestre de 2017 (Fonte: Ebit Webshopers).


Ou seja, mesmo com um cenário político incerto e ainda atravessando uma crise econômica, o Brasil vem apontando dados otimistas em relação ao ecommerce.  A indústria do ecommerce trouxe resultados ainda mais satisfatórios no segundo semestre do ano, em especial pelas vendas do dia dos pais, dia das crianças, natal e a tão esperada Black Friday, que aconteceu no dia 23 de novembro.


E-commerce na prática


Mesmo com anos de experiência no mercado, algumas empresas adotaram o ecommerce recentemente, como é o caso da Midea Carrier. A empresa é fruto da união de duas gigantes mundiais do mercado: a Midea, líder em produção de eletrodomésticos e a Carrier, líder em climatização e fundada pelo inventor do ar-condicionado – Willis Carrier. Em 2011, as duas empresas formaram uma joint venture para produzir e distribuir produtos no Brasil, Argentina e Chile, se tornando assim a maior fabricante de equipamentos de climatização da América Latina. São três fábricas – duas no Brasil e uma na Argentina – e mais de 3,5 mil colaboradores. Nos últimos dois anos, a Midea Carrier vendeu mais de 3 milhões de equipamentos em todo Brasil.


Entre março e abril de 2018, as vendas mensais da empresa via ecommerce obtiveram um crescimento de 441%, reflexo das novas estratégias adotadas. Segundo o head de e-commerce da Midea, Erico de Souza, a empresa está seguindo a tendência mundial de aproximação com o consumidor final. Através da plataforma Magento de ecommerce, criada pela empresa de e-commerce catarinense Híbrido, a Midea já garantiu, em seis meses, um fluxo de tráfego contabilizado em 10 anos o acesso a um simples site institucional da empresa. “Quando se fala de plataforma, ter um parceiro que compre a sua ideia é fundamental. Mesmo em um curto período de tempo, a Híbrido comprou a nossa ideia e foi muito bem sucedida, porque conseguiu cumprir todos os prazos propostos em cada etapa do projeto com excelência”, comentou Érico.


Conheça o case de sucesso da Midea em nosso canal.


Para dar andamento ao crescimento da indústria, a Midea Carrier vem adotando novas estratégias para aumento de vendas, como ajustes ergonômicos no site, melhorias de velocidade, teste A/B de melhorias no site para aumento de conversão, campanhas de Google Ads e Facebook Ads, instalação de ferramentas de avaliação dos produtos, entrada em novos marketplaces, aumento na taxa de envios de e-mail marketing e o investimento no marketing de conteúdo através do blog da empresa.

O ecommerce como processo evolutivo na indústria
Vote pra esse post

Achou isso interessante? Compartilhe

Por hibrido

COMENTÁRIOS

CONECTE-SE

Vamos conversar SOBRE O SEU NEGÓCIO?

Quer ficar antenado no mundo do ecommerce?

Faça parte da nossa base de conhecimento.